Selecione seu país Fechar

De uma pandemia global a uma nova visão nos negócios

Gerenciando a crise do Covid-19 - mantendo a cadeia de fornecimento e apoiando clientes.

Marco Mazzu, CEO da Hyva, responde algumas perguntas sobre a pandemia do Coronavírus. Exploramos como isso afetou os negócios da Hyva, as maneiras através das quais a "família" Hyva está respondendo e pedimos que Marco compartilhe algumas ideias sobre o futuro.

Como você está?

Felizmente, estou bem e me mantendo saudável. No entanto, entendo que nem todos tenham tido tanta sorte. Desde o primeiro dia desta crise, o foco principal de nossa equipe de gerenciamento foi, e sempre será, a segurança e o bem-estar dos funcionários e suas famílias, parceiros de negócios e clientes Hyva.

Como o seu dia-a-dia no trabalho mudou?

Uma grande mudança foi a incapacidade de viajar e se encontrar pessoalmente com a equipe, revendedores e clientes da Hyva. A comunicação é de vital importância. Tivemos que nos adaptar, combinando o tradicional com o novo. Felizmente, como somos uma empresa excepcionalmente global para o nosso tamanho, nós já havíamos introduzido o uso de plataformas digitais para reuniões e comunicação. Agora, isso se tornou uma necessidade e não uma opção, pois a vida saiu do mundo físico e entrou no reino virtual. Essa experiência foi importante e, juntamente com outras comunicações eletrônicas, conseguimos manter e, em alguns casos, aumentar e melhorar as comunicações, já que  muitas pessoas mudaram para o trabalho doméstico ou remoto.

Como você lidou com o surto inicial de coronavírus na China, onde a Hyva tem interesses comerciais significativos?

O surto inicial e a rápida disseminação do coronavírus na China foram um choque para todos. Em resposta, criamos rapidamente forças-tarefa especiais em áreas críticas, como Recursos Humanos e Cadeia de Fornecimento, para proteger o bem-estar de nosso pessoal e garantir a continuidade, na medida do possível, de componentes e materiais para nossas fábricas. Essa resposta inicial e bem-sucedida nos deu uma experiência valiosa que nos ajudou a estar melhor preparados à medida que o vírus se espalhava pela Ásia, Europa, MEA e Américas.

Como você está lidando com os desafios comerciais do momento?

A Hyva é um grande negócio internacional com alcance global. No entanto, ainda temos uma forte cultura "familiar" de reunir-se em tempos difíceis, não apenas nos apoiarmos dentro da empresa, mas também para alcançar a comunidade em geral. Nos primeiros dias da pandemia, várias subsidiárias da Hyva apoiaram nossos colegas na China enviando máscaras protetoras, roupas e termômetros. Agora que a China está se recuperando lentamente, eles estão retribuindo com doações de equipamentos para proteger nossos funcionários em todo o mundo. E, em outros países - incluindo Itália, Brasil e Holanda - a equipe da Hyva apoiou agências e instituições de saúde locais com doações de equipamentos de EPI e contribuições financeiras.

Nosso negócio foi desafiado e será testado ainda mais nos próximos meses. No entanto, ao refletir sobre o que passamos e olhar para o futuro, eu vejo muitos sinais encorajadores. Nossas cadeias de suprimentos foram ajustadas e mantiveram o nível de suporte necessário para nossas fábricas. As fábricas na China foram reabertas, respeitando todos os requisitos de segurança e gradualmente construídas para a produção total. Nossa fábrica na Alemanha operou em toda a pandemia, mesmo com capacidade reduzida. E nossas fábricas na Itália, Brasil e recentemente também na Índia estão sendo reabertas gradualmente, inicialmente com capacidade reduzida, de acordo com as condições e regulamentações locais.

Como será a recuperação?

O momento e a velocidade da recuperação são desconhecidos, mas certamente virão. Temos um forte relacionamento com nossos clientes e acredito que a maioria deles estará em posição de manter o fluxo de negócios e estará pronto para se recuperar.

Você acha que a pandemia trará algumas mudanças permanentes na maneira como o Hyva opera no futuro?

Nossa abordagem durante esta pandemia nos mostrou várias coisas que podem influenciar ou mudar a maneira como trabalharemos no futuro. Os regimes de saúde e bem-estar mudarão em todos os nossos locais de trabalho. É provável que aumentemos o uso de plataformas digitais - o vídeo pode se tornar a norma para algumas comunicações e desempenhar um papel maior em algumas áreas da educação e treinamento. A viabilidade de horários flexíveis e o trabalho remoto ou em casa não cessará com o fim da pandemia. A comunicação internacional mudará - as viagens aéreas, especialmente de longa distância, reduzirão e podem ser muito mais caras no curto e no médio prazo. As cadeias de suprimentos voltarão a ser examinadas em busca de vulnerabilidades identificadas durante a pandemia.

Você pode citar algo positivo proveniente desta situação?

As mudanças forçadas confirmaram o valor da tecnologia para intensificar a comunicação, em vez de apenas o uso alternativo.

Como a crise afetou sua vida pessoal?

Além das questões práticas que enfrentamos, o impacto emocional, eu sei, foi intenso para muitos de nós. Alguns de vocês conhecerão pessoas que sofreram e todos nós temos parentes ou amigos que continuam correndo riscos. Em uma nota muito pessoal, minha própria mãe, que agora tem 91 anos, está isolada em Turim, no norte da Itália. Como família, estamos todos preocupados e fazendo tudo o que podemos por ela. Minha família não é diferente neste caso.

O que você fará quando o Coronavírus não for mais um problema?

Visitarei minha mãe na Itália.

Alguma consideração final?

Estou muito orgulhoso da resposta da nossa "família" Hyva, da maneira como nos conectamos e apoiamos mutuamente, tanto no nível pessoal quanto no nível empresarial. Apesar da gravidade da pandemia e seu impacto nos negócios globais, estou me sentindo positivo em relação ao futuro da Hyva no novo cenário econômico.

Nossas pessoas são a nossa força. Fiquem bem e fiquem seguros.

Marco Mazzu

CEO da Hyva